Dilma Rou$$eff

0
Grandpa, where do you keep your wallet?
Grandpa, where do you keep your wallet?
Grandpa, where do you keep your wallet?

Brazilian President Dilma Rousseff, she for whom everything is “an internal affair” unless it involves left-wing Latin presidents, is calling for an emergency meeting of UNASUR next week here in my adopted hometown of Santiago.

As we all know, Foreign Minister Elías Jaua went on a whirlwhind tour of South America last week, desperate to prevent the OAS from discussing Venezuela, and instead proposing it go to a friendlier forum such as Unasur. It seems like that is going to happen a few kilometers from where I am writing this. We can expect a wholehearted endorsement of the Maduro administration from UNASUR, as well as a denunciation of a “soft coup” and of “fascists” trying to overthrow him. It won’t matter one bit, since people will remain on the streets.

The interesting thing, though, is that Brazilian construction firm Odebrecht, the Gerald Fords of construction firms, are owed more than $2 billion from the Venezuelan government. Should I connect the dots for you? Dilma + UNASUR + $2 billion = Love for Maduro.

Odebrecht has become the nuts and bolts of the Brazilian operation in Venezuela. With $20 billion in investment projects in the country, and 13,000 employees in Venezuela alone, this firm is so deeply entrenched in the survival of the Maduro administration, that it becomes the Brazilian Foreign Ministry’s only concern in Venezuela, just like its diplomacy toward Cuba is guided by the same goals. And if Maduro continues to destroy PDVSA, a competitor of Petrobras, then that’s just the cherry on top.

1 COMMENT

  1. Venezuelans in Chile should show boards of “Dilma defiende intereses de ODEBRECHT” or something like that, brain storm about proper slogans and try to circulate them while preventing attacks from Chavista thugs and the cops.

    • ^^^— I strongly second Kepler’s suggestion. Also HUGE signs listing how much $$$ has Odebrecht made from government contracts.

      Are there direct connections between Odebrecht and Dilma? e.g. campaign financing?

    • Aquí tienes:
      https://www.google.de/#q=marcelo+odebrecht

      Coloquen fotos de Odebrecht, dólares, etc. De veras: primero usen una hora de pura lluvia de ideas (cronometrado) y elaboren las pancartas en base a eso.
      Esperen que habrá gente aun viviendo en 73 dispuesto a fastidiarlos. Tomen medidas para evitar problemas. Son bastantes Ustedes para aparecer por todas partes.

  2. That is one way to analyze it, but if it is true, she is playing a remarkably short-sighted game. But, then so are Cuba and all the Chavista officials…

    Still, I would look for a more long-term gain for Brazil in all this. Somehow, I am envisioning both Brazil and Colombia looking across their borders at Venezuela’s resources and thinking how nice it would be colonize and annex parts or all of Venezuela.

  3. Is this really that surprising? A government’s foreign policies dictated almost wholly by its commercial interests?

    Funny thing is, El Norte does this and it is fascism, coup-mongering, neo-colonialism and imperialism. Meanwhile, Brazil (or Cuba or China) does this and its “respecting the sovereignty of our homeland” or “solidarity in constructing socialism in a multi-polar world”.

    I say potato, you say patata.

    Just like Maduro will likely screw Panama out of their billion or so, since Panama has little leverage (unlike Brazil) to collect and the Venezuelan government has little use for Panama at this stage of the game.

  4. Not only Dilma Rou$$eff , but Lui$ Ignacio Lula Da $ilva as well, and the whole Partido dos Trabalhadores. There´s a reason why there is a heated topic in Brazilian politics called the ¨mensalao¨

  5. Juan, o governo brasileiro está sob forte bombardeio interno por algumas razões, a saber: a) o Programa Mais Médicos, que trouxe médicos cubanos para o Brasil, paga salários menores aos cubanos e alguns já pediram asilo político alegando trabalho escravo, já que a maior parte do seu salário vai para o governo cubano, e revindicando pagamento igual ao dos demais médicos estrangeiros que para cá vieram (o Ministério Público do Trabalho está investigando o caso); b) o governo brasileiro inaugurou uma reforma milionária do porto de Mariel em Havana com recursos brasileiros (mas com cláusula secreta sobre as condições do empréstimo, o que provocou contestações públicas), enquanto o país apresenta infra-estrutura altamente deficitária, inclusive para fazer frente à Copa do Mundo que se aproxima; c) O pagamento da multa pelos dirigentes do PT condenados por corrupção pelo Supremo Tribunal Federal no chamado caso do Mensalão (compra de parlamentares pelo Poder Executivo em troca de apoio legislativo) gerou um grande debate no país, pois as altas quantias teriam sido pagas por filiados e simpatizantes do partido, o que foi colocado em dúvida pela imprensa, opositores e até por um ministro do STF (Gilmar Mendes); e d) A entrada da Venezuela no Mercosul foi abonada pelo Brasil e o governo terá que se justificar perante a opinião pública a coerência de tal decisão diante da crise política (e violência governamental) na Venezuela (a Rede Globo, a maior emissora de TV brasileira, tem transmitido notícias diárias sobre a crise venezuelana). My english is very bad, so sorry by write in portuguese.

    • André, boa noite. Dificilmente o Juan ou qq outro irá responder. O pessoal aqui (a maioria pelo menos) não entende português e além disso, como vc pode observar, o pessoal da oposição ao regime está um tanto quanto “puto” com o Brasil e por extensão com os brasileiros. Agora, se serve de consolo, o teu post está muito bem articulado e reflete, na minha opinião, adequadamente o contexto atual no que diz respeito ao Brasil (governo atual). Um abraço.

    • André, Its fine…most of us can read Portuguese, just are not fluent enough to respond. It will be VERY interesting to see what Brazilian public opinion will be when/if all this comes to pass, and what, if any, pressure you guys can put on your government.
      I am a native of El Salvador, and what with Cuba handing out médical School scholarships left and right to so many kids there, they have pretty much bought the conscience of half the country. Its ironic that the country survives of the remesas they receive from relatives in the U.S. yet will défend Cuba to the death…

    • André,
      Muito prazer! Eu compreendo português e falo um pouquinho, mais nao escrevo bom. Muito interessante o que voce diz… A dinamica interna brasileira e importante, mais nao a conheso muito. Voce quer escrever um post sobre isso?

  6. Doesn’t anyone else knows those bunch of presidents are just there for money? It’s pretty much well known by now.

  7. I don’t mind other countries watching out for themselves, as all should.
    What i really can’t stand is when they support the destruction of other countries for their benefit.
    We will never have nice things in Venezuela.

  8. Dilma doesnt realize it but things have changed this last year , maybe she should think hard at the small pickings this regime supportive posture will give Brazil .
    1. there is no more money , so Odebrecht will not get paid what is owed to them in Venezuela .
    2.As chinese influence has grown they are replacing brazilian businesses in the favoured role they had in the past as contractors and suppliers for big govt projects . Chinese companies usually come with their own funding and are generally more generous with their bribes.
    3.Pdvsa support for ambitious refinery projects has shown itself a mirage ,Pdvsa doesnt have the financial muscle it had years past.
    The only gain will be political , it will help appease and please the left wing of her party which ideas for governing brazil she has very pragmatically set aside.

  9. Charlie, thanks for talk with me. I’m, at least, want freedom and democracy for venezuelan’s people in their fight against chavista dictatorship. PT and PSUV are wine of the same bottle, I think. Thanks for your attention.

  10. Every country looks out for its own national interests. I don’t expect our Brazilian compatriots to be morally superior than the global average.

  11. If your threat against politically undesirable behaviour of other countries consists in not honoring debt payments against their companies, you are close to abysm. As I understand, they are playing this card against Panama.

    • Por um lado, o Planalto descarta a possibilidade de censurar Maduro em público. Um gesto desses daria munição gratuita para o PSDB em pleno ano eleitoral. Além disso, enfraqueceria Maduro perante a oposição e diante daqueles chavistas graúdos que preferem vê-lo fora do poder.

  12. Otra…

    A preocupação em Washington é que, por causa da crise, Maduro seja forçado a suspender a provisão de petróleo subsidiado a países como República Dominicana, Jamaica e Cuba, levando-os a uma crise econômica capaz de provocar instabilidade e novas levas de emigração.

    Ao contrário do que o chavismo prega, nenhum centro de poder norte-americano hoje quer a saída de Maduro. O chavismo pode ser um estorvo, mas ele honra contratos. Além disso, a memória amarga de uma tentativa de golpe contra Chávez está viva, e o lobby antichavista em Miami perdeu força.

    • Juan my Portuguese is poor to non existent but I believe I was able to catch the drift of 2 comments you made in the above paragraph .

      One that Washington was worried that worsening conditions might force Maduro to cut subsidized oil shipments to Dom Rep , Jamaica and Cuba as that might lead to local instability and a rise in illegal inmigrants flowing to the US . Surely Cuba doesnt belong to the list of countries , No one in the US is going to cry about Cuba facing increased hardships because of reduced oil supplies to Venezuela , Regarding supplies to Dom Rep and Jamaica their imports are probably so small that they will be kept on whatever Venezuelas worsening financial situation .

      Second : The regime doesnt honour its contracts , rather the opposite, dozens of international disputes can attest to that . ,what they do honour is their international debt obligations because of the emblematic nature of those commitments before the eyes of the world . These are the last obligations they will cease to honour , all others are in the hock.!!

  13. Outrageous, emergency meeting of UNASUR ! And of course VNZA seems to support this…Obvious because UNASUR contains less adversaries…No “imperialist” opinion over VNZAn violence and HR abuses…History will record this period as one of deep shame as VNZA gets out from under this mess on its own thanks to its brave people while their neighbors, friends turn a blind eye to the horrendous human rights abuses and the tyranny inflicted on the people in the name of Chavismo. This is a clear example of how one lies and the other swears to it…It is like Hitler patting Stalin on the back and saying “Don’t worry, you’ve done nothing wrong” !!

  14. Juan, segue aí abaixo o post.

    Como a crise venezuelana afeta a reeleição de Dilma Rousseff

    Quando os presidentes Lula e Hugo Chávez lançaram em 16.12.2005 a pedra fundamental da Refinaria de Abreu e Lima, a ser construída no Estado de Pernambuco com financiamento de US$ 2,5 bilhões divididos igualmente entre Petrobrás e PDVSA, vivia-se um período de euforia econômica. O Brasil vendia suas commodities em grande quantidade e a bom preço para a China, o que assegurava a expansão da economia brasileira. Surfando no bom momento da economia mundial, Lula proclamava repetidamente que “nunca antes neste país” (never before in this country) se vira um crescimento daquela magnitude.
    Quando eclodiu a crise norte-americana de 2008, Lula chegou a dizer que se tratava de “uma marolinha” (something like little wave) e que o Brasil estava protegido contra seus efeitos deletérios. Sob pesada propaganda triunfalista, Lula ainda teve folego para eleger em 2010 Dilma Rousseff à Presidência da República, a despeito da notória falta de carisma e de histórico de campanhas eleitorais da candidata petista. Os marqueteiros do governo venderam-na como a grande gerente – ou “a Mãe do PAC” (Programa de Aceleração do Crescimento) – que trabalharia a favor da continuidade do crescimento econômico do Brasil.
    Esse cenário em que o Brasil figurava como potência emergente, capaz de mostrar aos Estados Unidos e à Europa como era possível atravessar a crise econômica sem ser afetado por seus efeitos recessivos, revelou-se uma evidente falácia. Recursos mal aplicados em infra-estrutura (estradas, aeroportos, portos, etc.), gastos governamentais excessivos (como se a economia continuasse em expansão), retração no consumo das famílias, gasolina subsidiada pelo governo a ponto de provocar um gigantesco déficit na contabilidade da Petrobrás (e derrubar, assim, o valor das suas ações na Bovespa, a Bolsa brasileira) e, sobretudo, o retorno da inflação sinalizaram que a “marolinha” (little wave) havia se convertido em um tsunami.
    No plano político, a situação não se tornou, é claro, melhor com a escassez de recursos. A condenação por corrupção de dirigentes petistas no chamado caso do Mensalão (pagamento de “mensalidades” a um grupo de parlamentares em troca de apoio no Congresso Nacional) pelo Supremo Tribunal Federal – STF – levou muitas lideranças do PT a reclamarem de que se tratou de um julgamento político e não técnico-jurídico. O PT alegou então que o STF havia julgado sob pressão da mídia “conservadora”, “direitista”, etc. e fez renascer o seu projeto de “controle social da imprensa”, eufemismo para imposição de censura à imprensa de oposição ao governo federal. Aqui, o cerco do chavismo à imprensa livre é insistentemente citado como algo a ser evitado no Brasil, bem como a manipulação dos julgamentos do STF pelo governo do PT, uma vez que recente decisão daquela corte de justiça livrou os dirigentes mensaleiros de cumprir pena de prisão em regime fechado, o que lhes impossibilitaria de sair para trabalhar durante o dia. O ministro Joaquim Barbosa, o primeiro negro a compor o STF, se bateu fortemente pela condenação criminal dos mensaleiros. Por conta disso, é visto com grande admiração pelos opositores do governo e demonizado pelos simpatizantes e dirigentes do PT. Aqui, como disse, o espectro do chavismo assusta aos que querem o Brasil alinhado a uma concepção clara de democracia liberal com respeito às regras do livre mercado e faz da eleição de 2014 um marco decisivo para derrotar o projeto petista que objetiva aprofundar reformas políticas de cunho nitidamente populista.
    A grave crise econômica na Venezuela põe em cheque, por outro lado, o forte intervencionismo econômico adotado pela presidente Dilma Rousseff seja dando subsídios ao consumo da gasolina e da energia elétrica (aqui, a inspiração parece ter vindo de Cristina Kirchner), seja usando bancos de fomento econômico como o BNDES para financiar projetos de duvidosa utilidade para o Brasil como, por exemplo, a reforma com ampliação do porto de Mariel em Havana. Como muitos sabem aqui que não há cafezinho de graça, o temor generalizado é que a conta de tanta generosidade con nuestra plata (e irresponsabilidade fiscal) seja apresentada logo após a eleição de outubro de 2014.
    A vinda dos médicos cubanos ao Brasil foi apresentada como a redenção para a péssima saúde pública brasileira. Mas a propaganda não resistiu às primeiras revelações de que os cubanos ganham menos do que os outros médicos estrangeiros, tendo a maior parte dos salários retida em favor do governo da ilha, o que acabou por provocar a intervenção do Ministério Público do Trabalho que vai investigar se tais contratações violam, ou não, as leis trabalhistas e constitucionais brasileiras. (É claro que violam! Resta saber se as medidas do MPT serão anunciadas antes ou depois das eleições – só isto!).
    Com tantos desacertos e poucos acertos, é bastante provável que os manifestantes voltem às ruas durante a Copa do Mundo de junho/julho. Não foi por outro motivo que manifestantes em junho do ano passado perguntavam: afinal, se teremos 12 estádios no padrão FIFA, por que não podemos ter igualmente hospitais e escolas de alto padrão!?
    A crise econômica na Venezuela acende uma luz de advertência para o governo brasileiro e para vastos setores bem informados da sociedade. A estatização feroz do chavismo é certamente uma severa advertência sobre o que não deve ser feito aqui. Do mesmo modo no campo estritamente político, os espaços de liberdade devem ser preservados no Brasil, daí a resistência oferecida às tentativas de controle social da imprensa e, agora, ao projeto do governo petista de regular as manifestações de rua ou massa.
    Portanto, o governo brasileiro pode ser cúmplice do que acontece nas ruas (e instituições – ou o que restou delas) do país de Andrés Bello, mas a maioria dos brasileiros bem informados não está indiferente ao que sucede aí. Pessoalmente, afirmo que me interessa a adesão da Venezuela à economia de livre mercado e às instituições da democracia liberal. Vejo o chavismo como inconciliável com tais projetos. Assim como afirmo que setores radicais do PT admiram o projeto totalitário chavista e é por isso que o que acontece na Venezuela importa, e muito, para o futuro da democracia no Brasil.
    Por fim, cumpre lembrar que nenhum centavo da PDVSA foi investido na refinaria de Abreu e Lima e ela não entrou até hoje em operação.

  15. Que tɑl,
    Me hɦa gսstado еste sitio. Otros articulos noo me interesaron demasiado,
    pero en generl están bіen.
    A seguir asi!

  16. There may be some people who will strongly reject any changes to the current security
    system as they believe that the security system is
    smart enough to tackle all the risks. Don’t wait any longer protect your home
    and your most important assets. No longer is it necessary to put holes in
    walls to lay cables, installation can occur within a couple of hours.

Leave a Reply